Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RUMOS NOVOS - Católicas e Católicos LGBT (Portugal)

Ainda que sejamos provenientes de variadíssimos ambientes sociais, geográficos e culturais, partilhamos um elo comum: amamos a Deus e seguimos o Seu Filho Jesus Cristo. Devido a este elo único somos "um só em Cristo".

Ser gay é crime em mais de 70 países

Ser gay é crime em mais de 70 países

Pessoas estão sendo mortas por causa de sua orientação sexual, apesar dos progressos feitos em alguns países, incluindo a Grã-Bretanha, para eliminar o preconceito.

Um amplo estudo dos direitos mundiais de lésbicas, bissexuais e gays, divulgado pelo The Independent on Sunday [IoS, edição dominical do jornal The Independent], revela o preço brutal – e, em muitos casos, fatal – que as pessoas pagam em todo o mundo por causa de sua sexualidade. A pesquisa, realizada pela rede de caridade da Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo (ILGA), mostra que 76 países ainda perseguem pessoas com base em sua orientação sexual – sete dos quais punem os atos homossexuais com a morte.

Em uma escala global, as nações que estão fazendo algo positivo pelos direitos dos gays parecem pequenas diante daquelas que se comportam negativamente. Enquanto 75 países irão prendê-lo se você for gay, apenas 53 têm leis antidiscriminação que são aplicadas à sexualidade. Apenas 26 países reconhecem as uniões de mesmo sexo.

Nos 10 anos desde que o IoS publicou sua primeira "Pink List", a Grã-Bretanha fez progressos impressionantes em prol da igualdade sexual. Em uma única década de progresso, os gays têm o direito de adotar crianças, igual maioridade, legislação para protegê-los contra a discriminação e a possibilidade de se unir até em cerimônias civis.

Mas a homofobia continua sendo uma cicatriz na paisagem social da Grã-Bretanha. Em todo o mundo, centenas de pessoas são mortas a cada ano só por serem gays. Ben Summerskill, chefe-executivo da Stonewall, organização britânica pelos direitos de lésbicas, gays e bissexuais, disse: "Estamos conscientes de que, embora o progresso que possamos estar tendo na Grã-Bretanha seja notável, há vários países no mundo onde as pessoas ainda vivem com medo de suas vidas, só por causa da forma que nasceram. Ajudar a apoiá-las com sensibilidade é uma obrigação fundamental de qualquer pessoas que se preocupe com os direitos humanos no mundo em geral".

O quadro em muitas outras partes do mundo pode fazer com que a Grã-Bretanha pareça comparativamente acolhedora, especialmente em um dia em que comemoramos as 100 figuras influentes que são abertos com relação à sua sexualidade. Mas como o primeiro-ministro, David Cameron, escreveu no último domingo, a "Pink List" também lembra o Reino Unido a não se sentar sobre seus louros.

"Além de ser uma celebração, a 'Pink List' é um desafio e um lembrete de que devemos ir mais longe", disse. "Sim, o Reino Unido é um líder mundial em igualdade de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros, mas não podemos ser complacentes. Enquanto houver pessoas lá fora se sentindo marginalizadas e ameaçadas, temos que continuar combatendo o preconceito."

A apresentadora Clare Balding, que na semana passada foi repudiada pelo colunista do Sunday Times A. A. Gill como uma "lésbica de moto" [dyke on a bike], escreve no jornal deste domingo que ser gay na Grã-Bretanha "ainda não é fácil". Ela recebeu uma carta do The Sunday Times que dizia que o artigo homofóbico era equivalente à crítica que Jeremy Clarkson recebe sobre o seu jeito de se vestir.

Summerskill acrescentou que a chave é desafiar o preconceito. "Pessoas ainda estão sendo assassinadas por causa de sua sexualidade nas ruas de Londres, que é conhecida como a cidade mais progressista do país. Quando Jeremy Clarkson ou Chris Moyles dizem 'O que você está reclamando?', a resposta é 'Por que você não tenta andar na rua de mãos dadas com outro homem?'".

A pressão social para ser "hetero" na Grã-Bretanha ainda precisa ser eliminada. Quando o vencedor do X Factor, Joe McElderry, 19 anos, revelou ser gay neste domingo, isso aconteceu depois dele já estar se sentindo incapaz de admitir a sua sexualidade. Mesmo quando alguém invadiu sua conta no Twitter para revelar a sua sexualidade no mês passado, ele ainda insistiu que era heterossexual. De acordo com o Stonewall, quase dois terços das jovens lésbicas, gays e bissexuais experimentam bullying homofóbico nas escolas da Grã-Bretanha.

O estudo da ILGA dos direitos mundiais dos homossexuais mostra que, em outros lugares, admitir ser gay ainda é uma questão de vida ou morte. Em grande parte da África, na última década, viu-se as vidas de gays irem "de mal a pior", diz o relatório. Mais de 50% dos Estados africano tomaram medidas para criminalizar a homossexualidade, e a homofobia religiosa é abundante. O quadro não é muito melhor na Ásia, onde 23 países tornaram o fato de ser gay um crime.

A América Latina e o Caribe também são o lar de muitos governos com uma visão semelhante. Na Jamaica, o sexo com outro homem é descrito no livro estatutário como um "crime abominável".

Widney Brown, da Anistia Internacional, lista a África subsaariana, o Oriente Médio e a Europa oriental como as regiões que lhes dão as maiores preocupações com relação aos direitos dos homossexuais. Brown também alertou contra o fato de as nações ocidentais estarem se tornando complacentes. "Os EUA são o único país da Otan com uma proibição de se ser abertamente gay nas Forças Armadas".

Renato Sabbadini, co-secretário geral da ILGA, disse: "A indignidade recai inteiramente sobre esses Estados, porque deles é a vergonha de destituir um número significativo dos seus cidadãos de dignidade, respeito e gozo de direitos iguais".

Ilegalmente deportados

Um gay da Uganda que pedia asilo no Reino Unido foi ressarcido em 100 mi libras em uma compensação sem precedentes do Ministério do Interior, após o órgão admitir que havia violado a lei ao deportá-lo e colocar sua vida em perigo, enquanto seu caso ainda estava pendente.

John Bosco Nyombi, que agora tem licença para permanecer no Reino Unido, foi espancado e colocado em um avião de volta para Kampala pela equipe de segurança que trabalhava para o Ministério do Interior em 2008. O IoS noticiou no ano passado que os juízes da Suprema Corte decidiram que sua remoção foi "manifestamente ilegal, obrigando o Ministério do Interior a trazê-lo de volta à Grã-Bretanha. O homem de 39 anos fugiu para o Reino Unido em 2001, porque ser gay na Uganda pode resultar em prisão perpétua. Mais de um gay preso foi morto enquanto cumpria pena nas prisões da Uganda.

Nyombi tinha pendente um pedido de revisão judicial sobre seu caso quando foi enviado de volta. Quando ele tentou resistir à equipe enviada para deportá-lo e pediu um advogado, os oficiais de remoção britânicos arrastaram-no alegadamente pelas algemas e bateram em sua virilha e em seus ombros.

Poucos minutos antes de sua chegada em Kampala, Nyombi foi interrogado pela polícia de fronteira. Ele escapou de uma prisão inicial depois de pagar um suborno e passou seis meses na clandestinidade, tendo sido pego duas vezes e colocado na prisão, onde foi espancado por funcionários e detentos.

Nyombi, que agora vive em Portsmouth, onde ele é cuidador, disse: "É realmente uma boa notícia, mas às vezes não tem a ver com dinheiro. Nada pode compensar o que eu passei, e, apesar de tudo o que eles têm oferecido, ainda não vão se desculpar. Eles acham que um pedido de desculpas é dinheiro, mas não é". Ele planeja dar parte do dinheiro para instituições de caridade que fizeram campanha para trazê-lo de volta à Grã-Bretanha.

Seu advogado, Shamik Dutta, do escritório Fisher Meredith, disse: "John Bosco Nyombi é uma das muitas vítimas inocentes que sofreram agressões e prisões ilegais nas mãos do nosso sistema imigratório mal administrado. A conduta ilegal do Ministério do Interior nesse caso é uma mancha na nossa reputação nacional".

 

Autor: Emily Dugan
The Independent e Unisinos

 

Do nosso correspondente do Brasil: Eduardo Gabriel