Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RUMOS NOVOS - Católicas e Católicos LGBT (Portugal)

Ainda que sejamos provenientes de variadíssimos ambientes sociais, geográficos e culturais, partilhamos um elo comum: amamos a Deus e seguimos o Seu Filho Jesus Cristo. Devido a este elo único somos "um só em Cristo".

Teologia e Espiritualidade do Advento

Para os cristãos, este termo indica a vinda do Messias, longamente esperado, concretizada na Encarnação de Jesus Cristo. Contudo, o Advento de Jesus apenas se realizará, totalmente, com a sua vinda gloriosa e final, nos fins dos tempos, o qual a Igreja peregrinante espera, vigilante e jubilosamente. De resto, a palavra “advento” deriva do latim “ adventus”, vinda.

 
O Mistério da Encarnação do próprio Filho de Deus, que se fez Homem tal como nós, não deixa de provocar emoção e júbilo nos cristãos de todos os tempos. De facto, só à luz da Sua morte e Ressurreição, a Sua encarnação ganha pleno sentido. Toda a Sua vida é redentora. Com o seu nascimento, teve início a nossa salvação. Este mistério sempre fez suscitar a necessidade dum tempo de preparação e aprofundamento do nascimento de Jesus e da Parusia (vinda gloriosa, no fim dos tempos).
 
À luz da liturgia da Igreja podemos resumir algumas linhas do pensamento teológico e da vivência existencial deste tempo de graça.
 
 
 
1. Advento, tempo de Cristo: a dupla vinda
 
A teologia litúrgica do Advento orienta-se em duas perspectivas: a espera da Parusia, revivida com os textos messiânicos escatológicos do Antigo Testamento, e a perspectiva do Natal, que renova a memória de algumas destas promessas, já cumpridas, ainda que não definitivamente.
 
O tema da espera é vivido na Igreja com a mesma oração que ressoava na assembleia cristã primitiva: o Marana-tha (Vem Senhor) ou Maran-athá (o Senhor vem) dos textos de Paulo (1 Cor 16,22) e do Apocalipse (Ap 22,20), que se encontra também na Didaché e, hoje, numa das aclamações da oração eucarística. Todo o Advento ressoa como um "Marana-thá" nas diferentes modulações que esta oração adquire nas preces da Igreja.
 
A palavra do Antigo Testamento convida a repetir na vida a espera dos justos que aguardavam o Messias; a certeza da vinda de Cristo na carne estimula a renovar a espera da última aparição gloriosa na qual as promessas messiânicas terão total cumprimento, já que até hoje se cumpriram só parcialmente. O primeiro prefácio de Advento canta
esplendidamente esta complexa, mas verdadeira, realidade da vida cristã.
 
O tema da espera do Messias e a comemoração da preparação para este acontecimento salvífico atinge o auge nos dias que precedem o Natal. A Igreja sente-se submersa na leitura profética dos oráculos messiânicos. Lembra-se de nossos Pais na Fé, escuta Isaías, recorda o pequeno núcleo dos “anawim” de Yahvé que está ali para esperá-lo: Zacarias, Isabel, João, José, Maria.
 
O Advento é, pois, uma intensa e concreta celebração da longa espera na história da salvação, com o descobrimento do mistério de Cristo ao longo de toda a Escritura. Esta celebração sugere a leitura da nossa história como uma presença e uma espera de Cristo que vem. O Advento é uma redescoberta da centralidade de Cristo na História da
Salvação. Através dos seus títulos messiânicos (Messias, Libertador, Salvador, Esperado das nações, Anunciado pelos profetas) ele é visto como a personagem central, a chave do arco de uma história, da história da salvação.
 
 
 
2. Advento tempo por excelência de Maria, a Virgem da espera
 
O Advento é, por excelência, o tempo mariano do ano litúrgico. Paulo VI expressa isso com toda a autoridade na “Marialis Cultus” (3-4). Historicamente a memória de Maria na liturgia surgiu com a leitura do Evangelho da Anunciação antes do Natal naquele que, com razão, foi chamado o domingo mariano prenatalício.
 
Hoje o Advento recupera plenamente este sentido com uma série de elementos marianos da liturgia, que podemos sintetizar da seguinte maneira:
·         Desde os primeiros dias do Advento há elementos que recordam a espera e a acolhida do mistério de Cristo por parte da Virgem de Nazaré.
·         A solenidade da Imaculada Conceição celebra-se como "preparação radical à vinda do Salvador e feliz principio da Igreja sem mancha nem ruga” (Marialis Cultus 3).
·         Dos dias 17 a 24, o protagonismo litúrgico da Virgem é muito característico nas leituras bíblicas, no terceiro prefácio de Advento, que recorda a espera da Mãe, em algumas orações, como a do dia 20 de Dezembro que nos traz um antigo texto do Rótulo de Ravena, ou na oração sobre as oferendas do IV domingo, que é uma epiclese significativa que une o mistério eucarístico com o mistério de Natal num paralelismo entre Maria e a Igreja na obra do único Espírito.
 
Numa formosa síntese de títulos, I. Calabuig apresenta assim a figura da Virgem do Advento:
·         é a "Cheia de graça", a "bendita entre as mulheres", a "Virgem", a "Esposa de Jesus", a "serva do Senhor";
·         é a mulher nova, a nova Eva que restabelece e recapitula no desígnio de Deus pela obediência da fé o mistério da salvação;
·         é a Filha de Sião, a que representa o Antigo e o Novo Israel;
·         é a Virgem do “fiat”, a Virgem fecunda, a Virgem que escuta e acolhe.
 
Na sua exemplaridade para a Igreja, Maria é plenamente a Virgem do Advento na dupla dimensão que a liturgia tem sempre na sua memória: presença e exemplaridade. Presença litúrgica na palavra e na oração, para uma memória grata dAquela que transformou a espera em presença, a promessa em dom. Memória de exemplaridade para uma Igreja que quer viver como Maria a nova presença de Cristo, com o Advento e o Natal no
mundo de hoje.
 
Na feliz subordinação de Maria a Cristo e na necessária união com o mistério da Igreja, Advento é o tempo da Filha de Sião, Virgem da espera que no "fiat" antecipa o Marana-thá da Esposa; como Mãe do Verbo Encarnado, humanidade cúmplice de Deus, tornou possível o seu ingresso definitivo, no mundo e na história do homem.
 
 
 
3. Advento, tempo da Igreja missionária e peregrina
 
A liturgia, com o seu realismo e os seus conteúdos, põe a Igreja num tempo de características e expressões espirituais: a espera, a esperança, a oração pela salvação universal.
 
Preparando-nos para a festa de Natal, pensamos nos justos do AT que esperaram a primeira vinda do Messias. Lemos os oráculos dos seus profetas, cantamos seus salmos e recitamos suas orações. Mas não fazemos isto pondo-nos em seu lugar como se o Messias ainda não tivesse vindo, mas para apreciar melhor o dom da salvação que nos trouxe. O Advento para nós é um tempo real. Podemos recitar com toda verdade a oração dos justos do AT e esperar o cumprimento das profecias porque estas ainda não se realizaram plenamente; cumprir-se-ão com a segunda vinda do Senhor.
 
Devemos esperar e preparar esta última vinda. No realismo do Advento podemos recolher algumas actualizações para a oração litúrgica e participação da comunidade:
·         A Igreja ora por um Advento pleno e definitivo, por uma vinda de Cristo para todos os povos da terra que ainda não conheceram o Messias ou não reconhecem ainda o único Salvador.
·         A Igreja recupera no Advento a sua missão de anúncio do Messias a todas as gentes e a consciência de ser "reserva de esperança" para toda a humanidade, com a afirmação de que a salvação definitiva do mundo deve vir de Cristo com a sua definitiva presença escatológica.
·         Num mundo marcado por guerras e contrastes, as experiências do povo de Israel e as esperas messiânicas, as imagens utópicas da paz e da concórdia, tornam-se reais na história da Igreja de hoje que possui a actual "profecia" do Messias Libertador.
·         Na renovada consciência de que Deus não desdiz as suas promessas – confirma-o o Natal! – a Igreja através do Advento renova a sua missão escatológica para o mundo, exercita a sua esperança, projecta todos os homens um futuro messiânico do qual o Natal é primícia e confirmação preciosa.
 
À luz do mistério de Maria, a Virgem do Advento, a Igreja vive neste tempo litúrgico a experiência de ser agora "como uma Maria histórica" que possui e dá aos homens a presença e a graça do Salvador.
 
A espiritualidade do Advento resulta assim uma espiritualidade comprometida, um esforço feito pela comunidade para recuperar a consciência de ser Igreja para o mundo, reserva de esperança e de gozo. Mais ainda, de ser Igreja para Cristo, Esposa vigilante na oração e exultante no louvor do Senhor que vem.