Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

RUMOS NOVOS - Católicas e Católicos Homossexuais Portugueses

Ainda que sejamos provenientes de variadíssimos ambientes sociais, geográficos e culturais, partilhamos um elo comum: amamos a Deus e seguimos o Seu Filho Jesus Cristo. Devido a este elo único somos "um só em Cristo".

Encontros 2017

God-Lovers.jpg

 Aqui deixamos as datas dos Encontros da comunidade para o ano de 2017, pedindo a todas e todos que as apontem nas vossas agendas, pois a todas e todos esperamos (re)encontrar no ano que se avizinha.

 

DATAS:

  • JANEIRO: dia 8 (domingo);
  • FEVEREIRO: dia 5 (domingo);
  • MARÇO: dia 5 (domingo);
  • ABRIL: dia 2 (domingo);
  • MAIO: dia 6 - Festa da Fundação (9 anos) (sábado);
  • JUNHO: dia 3 (sábado);
  • JULHO: dia 1 (sábado);
  • AGOSTO: F É R I A S
  • SETEMBRO: dia 3 (domingo);
  • OUTUBRO: dia 1 (domingo);
  • NOVEMBRO: dia 5 (domingo);
  • DEZEMBRO: dia 3 (domingo).

 

LOCAL:

  • CES Lisboa (Picoas Plaza).


HORA:

  • 15h30.


TEMA TRANSVERSAL AOS ENCONTROS:

  • O grande tema proposto será: «Semeadores da Esperança, Promotores do Encontro», na procura do que a Igreja hoje nos propõe e naquilo que nós propomos à Igreja.

 

NOTA: Por necessidade de agenda, alguns dos encontros acontecem ao sábado.

Algumas Considerações Sobre a Entrevista Dada Pela Dra. Maria José Vilaça à Edição Portuguesa da Revista “Família Cristã”, do Mês de Novembro

20047056_FNmCr.jpeg

São sobejamente conhecidas as posições da Dra. Maria José Vilaça em assuntos como o casamento entre pessoas do mesmo sexo, adoção e coadoção por casais do mesmo sexo e sobre a homossexualidade em si mesma.

 

Variadíssimas têm sido as vezes em que temos discordado publicamente das posições assumidas, outras há em que concordamos com os argumentos apresentados.

 

Deixando de lado a questão da denominada «ideologia do género», centremo-nos nas palavras proferidas. Da imprensa retemos: “Ter um filho homossexual é como ter um filho toxicodependente, não vou dizer que é bom”. Na entrevista dada à «Família Cristã» encontramos: «”Eu aceito o meu filho, amo-o se calhar até mais, porque sei que ele vive de uma forma que eu sei que não é natural e que o faz sofrer.” É como ter um filho toxicodependente, não vou dizer que é bom.»

 

Antes de prosseguirmos nesta reflexão, importa outrossim sublinhar dois conceitos, esses sim, presentes da resposta da dra. Maria José Vilaça: contra a lei natural e o sofrimento em função da orientação sexual. Ambos os argumentos são sobejamente conhecidos, mas gostaríamos de nos ater ao segundo (seria demorado abordar o primeiro argumento – nem é esse o objeto destas nossas considerações – fundamentado em S. Tomás de Aquino, cujo pensamento ainda detém uma enorme influência no seio da Igreja Católica e, em particular as suas ideias referentes à ética sexual que ainda moldam os ensinamentos da Igreja) e sublinhar que o que faz sofrer um católico homossexual não é tanto a sua condição de pessoa homossexual, mas mais a estigmatização que, infelizmente, alguns setores dentro da nossa igreja a submetem, esquecendo eles mesmos o acolhimento com delicadeza, compaixão e respeito, proposto pelo próprio Catecismo. Acreditamos que eliminada esta estigmatização e efetuada uma caminhada para o autêntico e fraterno acolhimento, em misericórdia, destes, como de todos e todas, os restantes fiéis, esse sofrimento terminará. Esse sofrimento, é igualmente provocado pela estigmatização que algumas famílias católicas infligem aos próprios filhos e filhas, esquecendo-se da sua condição de pais e do ser amor incondicional para com os filhos. Famílias que colocam acima desse amor, determinações e conceitos de uma Igreja anterior ao Vaticano II e que não sabia ler os sinais dos tempos.

 

Depois dizer que para percebermos algumas posições de alguns católicos e, por maioria de razão, da própria igreja católica institucional será sempre útil perceber a sua substância, origem e fundamentação teológica, pois somente assim poderemos caminhar na construção de pontes justas de diálogo, partilha e compreensão mútua.

 

Finalmente as palavras da dra. Vilaça que tanta celeuma levantaram ao longo deste fim de semana: eventualmente comparar a homossexualidade à toxicodependência e que fizeram logo alguns a se colocarem em bicos de pés para a chamar de «homofóbica». Não concordando com parte do conteúdo e achando infeliz o exemplo encontrado, notamos o apelo ao acolhimento e amor dos pais por qualquer filho ou filha que seja homossexual, ainda que não concordando estes com essa mesma orientação sexual. Parece-nos ser este o caminho a seguir: amar e acolher genuinamente.

 

Por outro lado, percebemos que o exemplo encontrado, ainda que muito infeliz, mais não pretendeu do que sublinhar aquela necessidade de amor e acolhimento, mesmo na discordância com o facto: a homossexualidade, por um lado, e a toxicodependência, por outro.

 

Perante isto, alguns se apressaram em gritar «homofóbica». Aliás, assistimos a um fenómeno curioso e preocupante, que, infelizmente, se tem vindo a acentuar nos últimos tempos, de que quem expressa uma opinião contrária à nossa é necessariamente homofóbico. Por outras palavras, queremos rotular de homofóbica toda a pessoa que discorda de nós, que tem uma opinião diversa sobre a homossexualidade, mesmo que não incite ao ódio contra quem quer que seja. Ou seja, pretendemos coartar a liberdade de expressão aos outros, que aos quatro ventos reclamamos para nós. Muitos de entre nós chamam os sacerdotes de pedófilos, fazendo uma generalização infundada e abusiva; chamam os fiéis disto e daquilo; a igreja daqueloutro e aqueloutro ainda. Todos e todas se arrogam o direito de o fazer e dizer as maiores barbaridades em nome da liberdade individual e de expressão, mas quando alguém discorda de nós: aqui d’el rei, que é «homofóbico/a».

 

Cremos ser importante saber escutar (não somente ouvir!) de ambas as partes. É importante percebermos os sentimentos das pessoas e respondermos a eles. É importante saber garantir direitos sociais, não destes contra aqueles e daqueles contra outros, mas porque todos fazemos caminho na construção de pontes que cimentam a nossa realidade de pertencentes a esta grande família humana, diversa, mas una.

 

Creio que é chegado o tempo de nos indignarmos menos, ou de nos tentarmos indignar. É chegado o momento de percebermos porque é que as coisas acontecem! Talvez, assim, ainda consigamos ir a tempo de salvar os direitos sociais assegurados, cuja perenidade, convém recordar, sempre estará associado à democracia.

 

José Leote

(Coordenador Nacional - RUMOS NOVOS)