Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RUMOS NOVOS - Católicas e Católicos LGBT (Portugal)

Ainda que sejamos provenientes de variadíssimos ambientes sociais, geográficos e culturais, partilhamos um elo comum: amamos a Deus e seguimos o Seu Filho Jesus Cristo. Devido a este elo único somos "um só em Cristo".

A Associação Americana de Psicologia pronuncia-se a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo

A maior organização mundial de psicólogos tomou a sua posição mais firme até à data em apoio da total igualdade no casamento...

 

O órgão de formulação de políticas da Associação Americana de Psicologia (APA) aprovou por unanimidade, 157 votos a favor e nenhum contra, esta resolução.

A Associação, com mais de 154000 mil membros, de há muito que apoio os direitos iguais para as pessoas homossexuais, baseada na pesquisa das ciências sociais sobre a orientação sexual. Agora os psicólogos da APA – citando o aumento sempre crescente de estudos sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo, bem como ao aumento da discussão sobre o tema – levam este apoio para um outro patamar.

A resolução aponta para numerosos estudos recentes, incluindo descobertas de que «muitos homossexuais, tal como acontece com os seus pares heterossexuais, desejam formar relações de compromisso íntimas e duradouras e têm sucesso em realizá-las».

Acrescentou ainda o porta-voz da APA que «evidências emergentes sugerem que as campanhas… para negar aos casais do mesmo sexo o acesso ao casamento são uma fonte importante de stress para os homossexuais e têm um efeito negativo no seu bem-estar psicológico».

A última vez que a APA se tinha pronunciado sobre orientação sexual e casamento foi em 2004.

 

Depois de já se ter pronunciado contra as terapias reparadoras

O pronunciamento a favor do casamento igualitário dá-se precisamente dois anos após a APA ter reclamado o abandono das «terapias reparadoras» da homossexualidade, depois de ter passado em revista todas as evidências acumuladas e determinar que não é possível apoiar que um paciente possa mudar a sua orientação sexual através da terapia, enquanto que os danos potenciais de tais intervenções podem ser graves, incluindo depressão e tendências suicidas.