Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

RUMOS NOVOS - Católicas e Católicos LGBT (Portugal)

Ainda que sejamos provenientes de variadíssimos ambientes sociais, geográficos e culturais, partilhamos um elo comum: amamos a Deus e seguimos o Seu Filho Jesus Cristo. Devido a este elo único somos "um só em Cristo".

Alemanha: homossexualidade divide a Igreja

Que espaço têm os homossexuais dentro da Igreja Católica? Passados que estão dez anos após a introdução na Alemanha, a 1 de Agosto de 2001, da lei sobre as uniões civis entre pessoas do mesmo sexo, a questão divide os bispos alemães.

 

De um lado, estão aqueles que, como o arcebispo de Munique e Freising, Reinhard Marx, está convencido de que os homossexuais "fazem parte" da comunidade eclesiástica e também são bem-vindos ao trabalho paroquial. Do outro lado, estão aqueles que, como Franz-Josef Overbeck, que, além de ser o bispo de Essen, também é o bispo militar da Bundeswehr, está convencido de que a homossexualidade representa "um pecado".

 

 

"Todos aqueles que querem participar, abrir-se ao Evangelho e unir-se à comunidade da Igreja são bem-vindos", disse Marx (foto à direita) em entrevista ao jornal Süddeutsche Zeitung. "Não posso abençoar uma relação homossexual, mas posso rezar pelas pessoas que o peçam. Já seria um grande passo se todos fossem integrados, o que ainda não foi alcançado em todos os locais", explicou, admitindo erros na forma como a Igreja, até agora, se dirigiu aos homossexuais.

 

"Nem sempre a Igreja encontrou o tom certo". Uma frase que também pode ser vista como uma autocrítica: há poucas semanas, por ocasião do primeiro encontro do chamado "Processo de diálogo" sobre o futuro da Igreja em Mannheim, Marx havia falado, referindo-se aos homossexuais, sobre "pessoas fracassadas". Uma frase que havia levantado críticas e que o arcebispo depois corrigiu. Na sua entrevista ao Süddeutsche, Marx reafirmou, no entanto, a posição da Igreja, segundo a qual a sexualidade deve ser pensada dentro de uma relação matrimonial entre homem e mulher.

 

É diferente a abordagem de Overbeck (foto à esquerda), que, com os seus 47 anos, é o mais jovem bispo da IgrejaCatólica na Alemanha. "A homossexualidade é um pecado", dissera ele em Abril de 2010, num talk-show na televisão pública alemã, apresentado pela conhecida jornalista Anne Will (homossexual declarada). Desde então, a sua posição não mudou.

 

Nessa ocasião, lembrou Overbeck numa entrevista ao jornal Süddeutsche Zeitung publicado dois dias depois da entrevista com Marx, "manifestei aquela que é a convicção da Igreja Católica: a homossexualidade praticada é objectivamente pecaminosa, embora as pessoas homossexuais devam ser tratadas com respeito". Overbeck lembrou ainda ter debatido na residência episcopal com alguns representantes das associações de gays e lésbicas. No final, lembrou, "não chegamos a acordo".

 

 

 

 

Artigo original aqui

1 comentário

Comentar post