Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RUMOS NOVOS - Católicas e Católicos LGBT (Portugal)

Ainda que sejamos provenientes de variadíssimos ambientes sociais, geográficos e culturais, partilhamos um elo comum: amamos a Deus e seguimos o Seu Filho Jesus Cristo. Devido a este elo único somos "um só em Cristo".

Cinco Razões pelas Quais Nelson Mandela é uma Figura Ímpar na Defesa dos Direitos das Pessoas Homossexuais

Nelson Mandela

Nelson Mandela viveu tempo suficiente para alcançar o tipo de respeito que poucos líderes políticos conseguem alguma vez alcançar. Mas também, poucos líderes políticos foram tão transformadores como Mandela, que lutou não somente contra um sistema que institucionalizou o racismo, mas também orientou a sua transição pacífica para a democracia.

 

Um dos legados mais importantes de Mandela será o seu apoio aos direitos das pessoas homossexuais. Mandela fez questão de identificar os assuntos relacionados com as pessoas homossexuais como parte integrante do movimento dos direitos civis. A Mandela se fica a dever a tarefa monumental de cura das feridas causadas por anos de apartheid e é também dele a eterna gratidão de ter tido a visão suficiente para se aperceber de que todas as formas de discriminação se encontram relacionadas.

 

Aqui estão seis exemplos da liderança de Mandela que lhe granjearam um lugar de honra na história do movimento homossexual.

 

Conduziu a África do Sul a tornar-se no primeiro país no continente africano a banir a discriminação em relação às pessoas homossexuais. Mandela foi a voz da antidiscriminação desde o início da sua presidência, em 1994. O país acabou por banir a discriminação em 1998.

 

Foi um líder a favor da igualdade no casamento muito antes de este ser um assunto popular. Mandela nunca teve de evoluir em relação à igualdade no casamento. Ela já o apoiava há vinte anos atrás. Em resultado disso, a África do Sul tornou-se o primeiro país em África e o quinto no mundo a reconhecer a igualdade no casamento em 2006.

 

Pôs as suas palavras em ação. Mandela não falou somente de cor em relação aos assuntos envolvendo as pessoas homossexuais. Manifestou igualmente a vontade de nomear homossexuais para alto cargos, num tempo em que o país era bem menos concordante em relação aos homossexuais. Entre as suas primeiras nomeações encontra-se Edwin Cameron, que chegou a juiz do Supremo Tribunal da África do Sul.

 

Foi um exemplo para outros países. A homofobia permanece um problema em muitas outras nações africanas, porém a autoridade de Mandela foi tal que a sua contra-argumentação reduziu à vergonha a repressão sancionada por esses estados.

 

Mostrou ao mundo como é que as coisas podem ser feitas. A nação que Mandela ajudou a forjar a partir das ruinas do apartheid conseguiu a igualdade no casamento muito antes que muitas das democracias ocidentais. Em muitos aspetos o país esteve à frente na defesa dos direitos das pessoas homossexuais, pelo menos do ponto de vista político.

 

Embora a África do Sul não seja exatamente um paraíso para as pessoas homossexuais, pois o assassínio e a homofobia permanecem fontes de preocupação em algumas zonas do tecido do país, não há margem para dúvida que o país – e o mundo – avançou muito mais na defesa dos direitos das pessoas homossexuais do que teria acontecido se Mandela não tivesse abraçado a causa.

 

Por isso, as pessoas homossexuais têm para com ele uma enorme dívida.

 

Descansa em paz, Madiba!

 

 

Texto orginal: Queerty

Tradução e adaptação: José leote