Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RUMOS NOVOS - Católicas e Católicos LGBT (Portugal)

Ainda que sejamos provenientes de variadíssimos ambientes sociais, geográficos e culturais, partilhamos um elo comum: amamos a Deus e seguimos o Seu Filho Jesus Cristo. Devido a este elo único somos "um só em Cristo".

Casamento é um "conceito aberto", explica Tribunal Constitucional

 

O Tribunal Constitucional considera que “a extensão do casamento a pessoas do mesmo sexo” não colide com o reconhecimento e proteção da família como “elemento fundamental da sociedade”, sublinhando que o casamento é “conceito aberto”, que admite diversas conceções políticas.

 

Numa nota distribuída à comunicação social após a leitura pública do acórdão sobre o pedido de fiscalização preventiva de quatro normas do diploma que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo requerido pelo Presidente da República lê-se que o TC conclui que a iniciativa legislativa “não viola a garantia constitucional de casamento”.

 

Pois, é referido, “a mesma não tem por efeito denegar a qualquer pessoa ou restringir o direito fundamental a contrair (ou a não contrair) casamento”.

Por outro lado, o Tribunal conclui que “o núcleo essencial da garantia constitucional do casamento não é franqueado pelo abandono da regra da diversidade de sexos entre os cônjuges e que a extensão do casamento a pessoas do mesmo sexo não contende com o reconhecimento e proteção da família como ‘elemento fundamental da sociedade’”.

 

Na nota é ainda referido que, para chegar a este entendimento, o Tribunal não deixou de ponderar que se pode considerar que foi o casamento entre duas pessoas de sexo diferente que a Constituição quis representar.

 

Contudo, lê-se na nota, “pode também seguramente concluir-se que não teve qualquer opção no sentido de proibir a evolução da instituição”.

Por outro lado, da consagração do casamento como direito fundamental resulta que o legislador não pode suprimir do ordenamento jurídico o casamento enquanto instituto jurídico destinado a regular as situações de comunhão de vida entre as pessoas, num reconhecimento da importância dessa forma básica de organização social.

 

Além disso, é ainda referido, a Constituição não define o perfil dos elementos constitutivos do instituto e o conceito constitucional de casamento é "um conceito aberto, que admite não só diversas conformações legislativas, mas também diversas conceções políticas, éticas ou sociais, cabendo ao legislador ordinário a tarefa de, em cada momento histórico, apreender e verter no ordenamento aquilo que nesse momento corresponda às conceções dominantes”.

 

Votaram favoravelmente a decisão do Tribunal Constitucional os juízes conselheiros Vítor Gomes (relator), Carlos Cadilha, Pamplona de Oliveira e Joaquim Sousa Ribeiro.

 

Votaram ainda favoravelmente os juízes Ana Maria Guerra Martins, Gil Galvão, Maria Lúcia Amaral, Catarina Sarmento e Castro, Maria João Antunes, João Cura Mariano e Rui Moura Santos, mas todos estes com declaração de voto.

Votaram vencidos os juízes conselheiros José Borges Soeiro e Benjamim Rodrigues.

 

 

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

 

(in «I» online)