Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RUMOS NOVOS - Católicas e Católicos LGBT (Portugal)

Ainda que sejamos provenientes de variadíssimos ambientes sociais, geográficos e culturais, partilhamos um elo comum: amamos a Deus e seguimos o Seu Filho Jesus Cristo. Devido a este elo único somos "um só em Cristo".

Oração do Espírito de Chipiona

Chipiona (Catedral)

Deus e Pai bom, que nos amas e nos procuras.

Queremos-Te. Queremos-Te e sentimo-nos queridos.

Somos obra tua, causa da Tua criação e temos a certeza

de que jamais nos abandonas à nossa sorte.

Prova disso é aqueles Arco-Íris de cores,

que mostraste a Noé como fidelidade de amor

ao homem e à mulher de cada época (Gn 9, 13).

A pessoa é o Teu fascínio, Pai de amor.

A pessoa, a sua dignidade e a sua vida.

Por isso, chegado o momento enviaste-nos o Teu Filho Jesus,

que  terminaria com um testemunho de vida e obras,

o amor que sentes pelo mundo e pelas pessoas.

Jesus mostrou-nos o rosto vivo da misericórdia,

do perdão sem fim.

Foi o rosto vivo da amorosidade distribuindo amor em Teu nome,

restaurando a dignidade perdida, cuidando dos marginalizados,

acalmando os desejos de vingança e mostrando a todos

que é possível ser as mãos de Deus, sendo fraternos,

respeitosos e compreensivos.

Quando Jesus estava reunido com os seus discípulos,

enviou-nos o Seu Espírito Santo.

Como força renovadora.

Como ânimo perene para continuarmos vivendo com esperança

no sentido comunitário do cristianismo e dos seus valores.

Por este mesmo Espírito Te damos graças Pai.

Porque o sentimos próximo, na nossa vida.

E porque este Espírito foi sentido por nós de maneira especial em Chipiona,

junto à nossa mãe a Virgem Maria de Regla e fundamento da nossa fé.

Que o Teu Filho Jesus nos continue a animar com este Espírito

que nos foi dado e pelo qual vivemos.

Que por intercessão da Virgem Maria, Regra e amparo da nossa fé,

todos continuemos a nos sentirmos irmãos e irmãs

e abraçados pelo amor de Jesus Cristo. Ámen.

 

 

 

 

 

 

 

 Oração escrita por: Floren Salvador Díaz Fernández

Texto original: Cartujo con Licencia Propria

Tradução: José Leote (Rumos Novos)