Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RUMOS NOVOS - Católicas e Católicos LGBT (Portugal)

Ainda que sejamos provenientes de variadíssimos ambientes sociais, geográficos e culturais, partilhamos um elo comum: amamos a Deus e seguimos o Seu Filho Jesus Cristo. Devido a este elo único somos "um só em Cristo".

Porque somos comunidade...

supper-20.jpg

A Rumos Novos, desde a sua fundação em 1 de maio de 2008 que se afirma como comunidade. Mas porquê comunidade? Por que não grupo? Por que não outra denominação similar?

 

Antes de mais, porque Jesus convida-nos a viver em comunidade. Ele próprio funda a primeira comunidade. Escolhe e reúne um pequeno grupo de discípulos. Jesus preocupa-se com a formação dos seus discípulos, insiste na sua união (recordemo-nos que, apesar do conflito de Antioquia - Gl 2, 11-14 -, Pedro e Paulo permaneceram em união na fé e não sairam a formam cada um a sua comunidade) e na formação de uma autêntica comunidade. Jesus inculta-lhes, e também o faz a todas e todos nós, atitudes de serviço (Mc 10, 41-44), de interesse mútuo (Mt 18, 15-18), de perdão (Mt 18, 21-22) e de amor mútuo (Jo 13, 34-36).

 

Como comunidade que somos procuramos sempre dar resposta a necessidades fundamentais das pessoas de orientação homossexual, em particular nas atividades que promovemos:

 

  • Amar e ser amado: uma afetividade equilibrada somente é possível no relacionamento direto com os outros, na intimidade, no dar e receber.

 

  • Produzir e sentir-se útil: desenvolver-se como pessoa implica exercitar as próprias qualidades, expressar tudo aquilo de que cada um é capaz, sentir-se útil para os outros.

 

  • Ser igual a si próprio: ser capaz de superar as inibições, o abandono das "máscaras", deixar as "aparências" para que cada um se mostrre com total sinceridade, transparência, naturalidade e espontaneidade, para isso é necessário um clima de confiança mútua. Por isso apelamos sempre a uma participação continuada nas atividades.

 

  • Compreender e dar sentido à vida: este sentido dificilmente se descobre isoladamente, pois é necessário o diálogo e a comunicação existencial.

 

 

Que características temos como comunidade?

 

  • Dois pilares fundamentais: o Credo dos Apóstolos e o Credo de Niceia.

 

  • Amizade: relações que não se baseiam na hipocrisia, nem numa mera simpatia, mas numa amizade conquistada pela aceitação e respeito mútuos; pela confiança de uns para com os outros; pela ajuda que procuram prestar; pelo esforço de partilhar cada vez mais o que somos e o que temos.

 

  • Reflexão: abrimo-nos à mensagem de Jesus Cristo e procuramos em conjunto a resposta a dar a essa mensagem. Colocamo-nos numa atitude de conversão, revendo a nossa vida em comum.

 

  • Oração/ Celebração: oramos para celebrar e tornar consciente a presença de Jesus na nossa Comunidade; para encontrarmos a vontade de Deus e pedirmos força para a cumprir.

 

  • Compromisso: juntos comprometemo-nos na ação e, pouco a pouco, esse compromisso vai transformar-se num projeto de vida, segundo valores que vamos assumindo.