Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

RUMOS NOVOS - Católicos Homossexuais

Ainda que sejamos provenientes de variadíssimos ambientes sociais, geográficos e culturais, partilhamos um elo comum: amamos a Deus e seguimos o Seu Filho Jesus Cristo. Devido a este elo único somos "um só em Cristo".

Neste 17 de maio, OREMOS JUNTOS por um mundo sem homofobia

17MaioCapaFacebook.jpg

 

Continuemos a ser obreiros/as da cultura do encontro!



Caros amigos e amigas, irmãos e irmãs em Jesus Cristo,

 

Circunstâncias várias, entre elas o atraso na preparação de uma celebração condigna, levam-nos (como infelizmente já aconteceu em 2016) a alterar a forma como iremos assinalar o próximo dia 17 de maio, Dia Internacional Por Um Mundo Sem Homofobia.

 

Iremos lembrar os irmãos e irmãs vítimas da violência, da exclusão e do preconceito. É justo fazê-lo, porque nenhum ser humano deve ser humilhado. Nenhum ser humano deve sentir-se diferente ou inferior aos outros.

 

O próprio Papa Francisco, respondendo aos jornalistas no regresso da Jornada Mundial da Juventude no Brasil, disse: “Se uma pessoa é gay e busca o Senhor e tem boa vontade, quem sou eu para julgar?”.

 

São palavras muito bonitas e profundas, que no Rumos Novos podemos confirmar pela experiência de partilha e oração que temos presente nos nossos vários momentos em conjunto. São testemunhos ‘muito humanos’ e com grande sensibilidade, de tantos e tantas que procuram verdadeiramente Deus.

 

Por isso, o Santo Padre convidou-nos a não julgar. Quem somos nós para subir num pedestal e apontar o dedo? Quem somos nós para condenar e atirar pedras? Quem somos nós para sentir desprezo? Quem somos nós para excluir e rejeitar?

 

46912d63963898d04f49aebb034d2267.jpg

No entanto, também neste importante dia, todos e todas nós, católicos e católicas homossexuais, não nos podemos esquecer dos irmãos e irmãs que têm outra visão sobre algumas questões da nossa vivência. Com eles e elas sejamos igualmente tolerantes e saibamos escutar, como gostamos que nos escutem a nós. Não criemos um “complexo de homofobia”, mas uma “cultura do entendimento”, pois para muitos desses irmãos e irmãs é possível, de facto, respeitar plenamente os católicos e as católicas homossexuais, como qualquer outra pessoa no mundo, sem, no entanto, compartilhar algumas das nossas aspirações. É já um caminho…

 

Na noite de 17 de maio, vamos unir-nos espiritualmente na oração, com todo o nosso coração, aos nossos irmãos e irmãs homossexuais que ainda vivem no armário; que são perseguidos, ultrajados e abusados; que são presos e torturados em função da sua orientação sexual; que são mortos em função dessa mesma orientação. A todos e todas vamos apertá-los num grande abraço espiritual e dizer-lhes que somos todos filhos de Deus.

 

De igual modo, busquemos, com todos e todas os irmãos e irmãs, sem exceção, as coisas que nos unem e rezemos juntos ao Senhor, em nome desses valores que estão escritos no coração de cada ser humano.

 

Por isso, apelamos a todos e todas que pelas 22h00, do próximo dia 17 de maio, onde quer que nos encontremos, que acendamos uma vela e oremos, pedindo ao Senhor por todos aqueles e aquelas que diariamente sentem na pele o que é ser diferente.
 
 
Para quem quiser, partilhamos aqui um esquema para orarmos, em conjunto, espiritualmente neste dia, ainda que afastados uns dos outros.
 
 
Gostaríamos de vos pedir que partilhassem connosco as velas e os espaços de oração que criarem neste dia 17 de maio.

 
Poderão fazê-lo diretamente na nossa página no facebook, ou enviando-as por e-mail.

 

NOTA DE IMPRENSA: 17 DE MAIO - Dia Internacional por um Mundo Sem Homofobia

Por Um Mundo Sem Homofobia

Num ano em que a coadoção foi marcante para a vida das famílias de pessoas do mesmo sexo, muitas delas constituídas por homens e mulheres homossexuais católicos e quando a questão ainda, infelizmente, não se encontra resolvida, pareceu-nos de extrema importância ser esse o tema central da campanha para o Dia Internacional Contra a Homofobia de 2014.

 

Deste modo, a associação Rumos Novos - Homossexuais Católicos traz a público a campanha de 2014 para combater a homofobia. Através desta campanha, pretendemos desmistificar a parentalidade de pessoas do mesmo sexo de modo a reduzir o preconceito em relação às crianças que crescem em famílias com pais do mesmo sexo.

 

A publicação da componente visual da campanha marca o início da campanha de 2014 para o Dia Internacional Contra a Homofobia, que culminará a 17 de maio. Com «Eu Amo as Minhas Duas Mães/ Eu Amo os Meus Dois Pais» como tema, a componente visual da campanha retrata crianças que sorriem e estão orgulhosas das suas famílias. Estas crianças são iguais a quaisquer outras, exceto pelo modo como a sociedade algumas vezes encara a homossexualidade e, por associação, a sua família e elas próprias.

 

Para promover a abertura de espírito, é essencial que certos mitos sejam desconstruídos. Pelo que, para este ano, escolhemos discuti-los, particularmente, aqueles relacionados com as capacidades de parentalidade, o desenvolvimento da criança e os modelos parentais.

 

Em simultâneo, a associação Rumos Novos – Homossexuais Católicos juntou-se à iniciativa do Progetto Gionata – Portale su fede y omosessualità (Itália) e em conjunto com vinte e seis comunidades cristãs e católicas de outras associações congéneres de Itália, Reino Unido, Malta, Holanda e Espanha realizará uma vigília de oração (Lisboa e Porto) tendo por base o convite da Carta de S. Paulo aos Romanos «acolhei-vos uns aos outros, na medida em que também Cristo vos acolheu, para glória de Deus.» (Rm 15, 7) e onde se lançará um «grito» contra a violência da homofobia, porque «quando a vida se converte em oração e a oração fala da vida somente pode acontecer algo de maravilhoso, mais forte que qualquer tipo de discriminação».

Dia Internacional Contra a Homofobia 2014

Num ano em que a coadoção foi marcante para a vida de muitas famílias de pessoas do mesmo sexo, muitas delas constituídas por irmãos e irmãs homossexuais católicos e quando a questão ainda, infelizmente, não se encontra resolvida, pareceu-nos de extrema importância ser esse o tema central da campanha para o Dia de Luta Contra a Homofobia de 2014.

 

Deste modo, em parceira com a Fondation Émergence, o Rumos Novos - Homossexuais traz a público a campanha de 2014 para combater a homofobia. Através desta campanha, pretendemos desmistificar a parentalidade de pessoas do mesmo sexo de modo a reduzir o preconceito em relação às crianças que crescem em famílias com pais do mesmo sexo.

 

A publicação da componente visual da campanha marca o início da campanha de 2014 para o Dia Internacional Contra a Homofobia, que culminará a 17 de maio. Com «Eu Amo as Minhas Duas Mães/ Eu Amo os Meus Dois Pais» como tema, a componente visual da campanha retrata crianças que sorriem e estão orgulhosas das suas famílias. Estas crianças são iguais a quaisquer outras, exceto pelo modo como a sociedade algumas vezes encara a homossexualidade e, por associação, a sua família.

 

Para promover a abertura de espírito, é essencial que certos mitos sejam desconstruídos. Pelo que, para este ano, escolhemos discutir certos mitos, particularmente, aqueles relacionados com as capacidades de parentalidade, o desenvolvimento da criança e os modelos parentais.

 

 

Apoiar a Campanha

 

O Rumos Novos - Homossexuais Católicos conta com a participação de todos para fazer com que a edição de 2014 do Dia Internacional Contra a Homofobia seja um sucesso. Encorajamos todos a fazerem circular os cartazes, tanto no vosso local de trabalho como nas escolas. Estas ferramentas incluem dois cartazes, uma brochura e um mini-poster.

 

17 de Maio: Dia Internacional Contra a Homofobia

NOTA DE IMPRENSA 02/2011

 

Casal do Mesmo Sexo – Um Compromisso de Vida

Todos os anos o Dia Internacional Contra a Homofobia, 17 de Maio, é o momento para dar início a uma campanha de sensibilização às realidades da diversidade sexual.

 

 

ÉVORA/LISBOA, 16 de Maio de 2011 –O Rumos Novos - Movimento Homossexual Católico associa-se à comemoração do Dia Internacional Contra a Homofobia, através da campanha «Casal do Mesmo Sexo – Um Compromisso de Vida» e tendo sempre presente que «Deus não faz acepção de pessoas» (Act 10, 34).

 

Este dia, 17 de Maio, é uma data simbólica para todas as pessoas homossexuais. Considerada durante muito tempo como uma doença, a homossexualidade foi retirada da lista das doenças mentais a 17 de Maio de 1990, pela Organização Mundial de Saúde.

 

Por outro lado, no caso português, esta data reveste-se de um duplo simbolismo, pois faz um ano que a lei que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi promulgada e daí a importância, para nós homossexuais portugueses, desta data.

 

A campanha, que associamos ao dia 17 de Maio de 2011, é igualmente importante num tempo e numa sociedade em que a homofobia continua activa, ainda que surja frequentemente em formas mais subtis.

 

Jamais nos podemos esquecer que, tal como o racismo, a xenofobia ou o anti-semitismo, a homofobia é uma forma de discriminação. É uma atitude e sentimento negativos, uma aversão aos homossexuais ou em relação à homossexualidade, como um todo.

 

A homofobia manifesta-se através do ódio, rebaixamento, hostilidade e rejeição das pessoas que se pensa serem homossexuais e aquilo que está associado a elas.

 

Neste dia importa ter presente que, por muitos, a homossexualidade é encarada de um modo limitativo, onde a orientação sexual é reduzida a uma única componente: sexo. Ora, tal como acontece com os casais heterossexuais, os casais do mesmo sexo formam-se em torno de sentimentos amorosos e afectivos, onde a dimensão sexual também está presente. Contudo, uma relação duradoura de casal não pode ter por base exclusivamente a sexualidade, sendo que os casais do mesmo sexo passam pelos mesmos bons e maus momentos que os casais de pessoas de sexos opostos.

 

À nossa maneira, todos somos diferentes, únicos e especiais, mas também todos fazemos parte da maravilhosa família humana.

 

Como homossexuais somos também Cristãos, Judeus, Muçulmanos, Budistas, Agnósticos e Ateístas. Somos igualmente médicos, advogados, professores, membros dos governos, estudantes, jardineiros, escritores, jornalistas, atletas, etc. etc. Somos mães, pais, filhos, irmãos, irmãs, tios, tias, avós, amigos e colegas. Podemos ser encontrados ente os mais ricos dos ricos e entre os mais pobres dos pobres. Sofremos de má nutrição, pobreza e alterações climáticas, do mesmo modo que os nossos colegas seres humanos. Enfrentamos discriminação e preconceito do mesmo modo que o enfrentaram outras minorias ao longo da história. Enfrentamos problemas semelhantes aos do resto dos seres humanos: onde viver, como sobreviver, como amar, como construir uma vida, como ser uma boa pessoa. Mas, acima de tudo, partilhamos a crença de que a nossa experiência humana comum de amor, compaixão, tolerância e aceitação nos pode unir a todos como seres humanos vivendo nas mesmas cidades, vilas e aldeias.

 

Como homossexuais católicos continuamos preocupados com todos os irmãos na fé e com a sua não-aceitação nas suas comunidades de fé.

Por isso, neste dia 17 de Maio, Dia Contra a Homofobia, renovamos a nossa esperança numa Igreja que acolha todos de uma forma concreta e efectiva, abrindo novos espaços ao diálogo, para o trabalho conjunto do Evangelho, trazendo para ele as nossas experiências concretas de vida.

Por isso, neste dia 17 de Maio, Dia Contra a Homofobia, renovamos a nossa esperança numa Igreja que substitua o julgamento pela apresentação do amor de Deus por todos os Seus filhos, sem olhar a quem sejam ou aquilo que sejam.

 

Por isso, neste dia 17 de Maio, Dia Contra a Homofobia, renovamos a nossa esperança numa Igreja que, em vez de apresentar portas fechadas, ofereça opções de vida aos fiéis homossexuais.

 

Por isso, neste dia 17 de Maio, Dia Contra a Homofobia, renovamos a nossa esperança numa Igreja capaz de se comprometer com a sociedade e que tenha um diálogo transbordante de vida.

 

Por isso, neste dia 17 de Maio, Dia Contra a Homofobia, renovamos a nossa esperança numa Igreja que seja uma mãe preocupada com estes seus filhos e não uma Igreja que se apresenta a si própria como quase inimiga dos direitos e dignidade de grupos minoritários.

 

Por isso, neste dia 17 de Maio, Dia Contra a Homofobia, renovamos a nossa esperança numa Igreja capaz de, a exemplo de Cristo, promover a unidade dos Católicos, eles próprios também tão diversos.

 

Por isso, neste dia 17 de Maio, Dia Contra a Homofobia, renovamos a nossa esperança numa Igreja que verdadeiramente aprenda a amar todos como irmãos e irmãs, em vez da perseguição como inimigos.

 

Por isso, neste dia 17 de Maio, Dia Contra a Homofobia, renovamos a nossa esperança numa Igreja comprometida em apresentar a mensagem do Evangelho aos homossexuais, como uma mensagem de vida e liberdade e não como uma mensagem de medo e desespero.

 

Por isso, neste dia 17 de Maio, Dia Contra a Homofobia, renovamos a nossa esperança numa Igreja que tenha Palavras vivas e possa trazer mudança e transformação e não somente se escudar atrás da retórica.

 

Por isso, neste dia 17 de Maio, Dia Contra a Homofobia, renovamos a nossa esperança no outro Reino; queremos sonhar com o resto da Igreja; queremos acreditar no «na Terra assim como no Céu», como a Boa Nova para todos nós…

 

Queremos acreditar que a Paz e a construção de pontes é possível, mesmo entre a hierarquia católica e os fiéis homossexuais católicos; que o amor é uma possibilidade real e que todas as pessoas podem florescer na fé Católica.

 

17 de Maio: DIA INTERNACIONAL DE LUTA CONTRA A HOMOFOBIA

Neste dia 17 de Maio, oremos, irmãos, a Deus todo-poderoso, que revestiu de honra e glória a Seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, que atenda a oração desta Sua comunidade peregrina.
 
Pelos nossos Bispos e padres;
para que acolham de braços abertos os homossexuais,
nas suas comunidades.
Oremos ao Senhor.
 
Pela nossa comunidade cristã,
para que o Espírito Santo, nos dê a força de
perseverarmos no caminho do Senhor.
Oremos ao Senhor.
 
Pelos governantes das nações que perseguem os irmãos homossexuais;
para que Deus lhes dê a graça
de vir a governar com justiça, permitindo que a
todos os Homens, mesmo que diferentes,
lhes seja permitido viverem como Homens.
Oremos ao Senhor.
 
Por todos os irmãos homossexuais que são perseguidos, torturados e mortos neste mundo;
para que Deus lhes abrevie o tempo da prova
e os console e fortaleça com a virtude do Espírito Santo.
Oremos ao Senhor.
 
Senhor Jesus Cristo, que nos alegrais com a solenidade da Vossa ressurreição, ouvi as preces do Vosso povo e concedei àqueles que Vos imploram o que santamente vos pedem. Vós que sois Deus, com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Mais sobre nós

imagem de perfil