Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

RUMOS NOVOS - Católicas e Católicos LGBT (Portugal)

Somos católic@s LGBT que sentiram a necessidade de juntos fazerem comunhão, partilhando o trabalho e as reflexões das Sagradas Escrituras, caminhando em comunidade à descoberta de Deus revelado a tod@s por Jesus Cristo.

Papa Francisco encontra-se com Marin, o estudante que defendeu um casal gay.

Marin.jpg

A 11 de novembro de 2016, Marin de 20 anos de idade, estudante de direito e ciências políticas, foi selvaticamente agredido. À entrada da estação de comboios de Part-Dieu, em Lyon (França), Marin foi em socorro de um casal gay que estava a ser incomodado pela única razão de ter ousado beijar-se na rua. O presumível agressor de Marin decidiu que iria ter a última palavra e aproximou-se dele, por detrás, tendo-o atacado violentamente na cabeça.

 

Nos hospital, os médicos prepararam  a família para o pior. Em coma profundo, o seu prognóstico vital permaneceu reservado durante longas semanas. Para surpresa do corpo clínico, Marin despertou. Muito lentamente e sofrendo pesadas sequelas físicas, neurológicas e psicológicas, mas despertou.

 

Agora o Papa Francisco recebeu-o em Roma, num encontro de vinte e cinco minutos que Marin classificou com um «encontro incrível com um homem excecional».

 

Desde o seu já longínquo «Quem sou eu para jugar!» que o Papa Francisco parece apostado numa mudança de paradigma da Igreja em relação às pessoas, e particularmente aos fiéis, LGBT. É certamente um importante trabalho pastoral que, estamos certos, em muito contribuirá para lançar as bases de uma futura mudança na doutrina da igreja católica sobre as pessoas LGBT.

Martin2.jpg

 

Adolescente suicida-se no Brasil depois de ter denunciado que era vítima de homofobia no seio familiar

Consternação no Brasil devido ao suicídio de um adolescente, Yago Oliveira, após este ter denunciado no Facebook a situação de perseguição homofóbica de que era vítima pelos próprios familiares após ter saído do armário.

 

YagoOliveira.jpg

«Vou mostrando como sou e vou sendo como posso...»

 

Residente na cidade de Sapé, na Paraíba, no noroeste do Brasil, no passado dia 18 de janeiro, Yago Oliveira denunciou no Facebook a terrível situação de perseguição homofóbica de que era vítima popr parte da sua própria família que o rejeitava desde que assumira a sua orientação sexual. Uma situação que alguns dos seus amigos confirmam numa publicação que acumula inúmeros comentários e que foi compartilhada por mais de quarenta e seis mil utilizadores. Posteriormente revela que a sua vida se converteu num «inferno», confessando que havia recebido ameaças do próprio pai,  tendo acabado por se suicidar na madrugada do dia 14 de março.

 

A ocorrência criou uma onda de consternação no Brasil, particularmente desde que uma amiga de Yago denunciou que ele poderia não se ter suicidado: «Pessoal, não terá sido ele assassinado e feito para parecer um suicídio? Porque ele fez esse desabafo e morreu algum tempo depois, não imediatamente. Eles deveriam investigar aquela família doente!», publica no Facebook; e que um meio de comunicação local terá publicado uma entrevista com os seus familiares na qual explicam que a própia mãe de Yago parece comemorar a sua morte ao afirmar que «o homem lá de cima escutou a minha prece. Prefiro um filho morto do que um filho vivo e pecador. Seria uma vergonha e uma desonra muito grande».

 

Testemunho.jpg

 

 

Artigo original aqui.

ENCONTRO PARA CELEBRAR O DIA DA TERRA

CartazFacebookPNG.png

O Dia da Terra é uma data internacional voltada para o cuidado da nossa casa comum. Teve início em 22 de abril de 1970, pela mão do senador norte-americano Gaylord Nelson que resolveu realizar um protesto contra a poluição da Terra, depois de verificar as consequências do desastre petrolífero de Santa Barbara, na Califórnia, ocorrido em 1969 e agora é comemorada em todo o mundo.

O Dia da Terra conta já com mais de mil milhões de atos realizados em prol do ambiente ao longo da história. Neste Encontro que celebra o Dia da Terra, vamos erguer as nossas vozes juntos:

  • Refletindo sobre a nossa casa comum, particularmente em aspetos que nos são queridos;
  • Celebrando uma missa pela criação;
  • Após a missa, escrevendo cartas para incentivar as nossas dioceses a protegerem a criação.

Ao dirigir-se não só aos cristãos, mas «a cada pessoa que habita neste planeta», o Papa Francisco invoca a «solidariedade universal» para «unir toda a família humana na busca de um desenvolvimento sustentável e integral… pois sabemos que as coisas podem mudar» (Laudato Si, 13).

Como católicas e católicos, somos chamados a preservar a bela dádiva que é a criação e a proteger os mais pobres, marginalizados e vulneráveis. Nós temos o poder de responder a este apelo do Papa.
 
Aguardo ansiosamente pelo Encontro do Dia da Terra e espero poder contar também contigo!
 
Fraternalmente,
José Leote, RN