Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RUMOS NOVOS - Católicas e Católicos LGBT (Portugal)

Somos católic@s LGBT que sentiram a necessidade de juntos fazerem comunhão, partilhando o trabalho e as reflexões das Sagradas Escrituras, caminhando em comunidade à descoberta de Deus revelado a tod@s por Jesus Cristo.

De regresso a Roma, o Papa Francisco responde a uma questão sobre homossexualidade

 

 

PapaRegressaDaIrlanda.jpg

 

Na conferência de imprensa a bordo do avião que o trouxe de volta ao Vaticano, depois da sua presença no encerramento do Encontro Mundial das Famílias, o Papa Francisco responde, sem rodeios, a uma questão sobre a homossexualidade colocada pelo jornalista Javier Romero, do Rome Reports.

 

O Primeiro Ministro da Irlanda, que foi muito direto no seu discurso, está orgulhoso do novo modelo de família diferente daquele que a Igreja tem proposto até agora: quero dizer o casamento entre pessoas do mesmo sexo. E este é, provavelmente, um dos modelos que dá origem a mais batalhas, e estou a pensar concretamente no caso da família católica, quando há uma pessoa numa família destas que declara ser homossexual. Santidade... o que pensa, o que diria a um pai cujo filho lhe diga que é homossexual?

 

A tua pergunta é clara: o que direi a um pai que vê que um filho ou filha tem essa tendência? A primeira coisa que lhe diria é para rezar! Não condenar. Dialogar. Compreender. Dar espaço ao filho e à filha. Dar espaço para que se exprimam.

Porém, em que idade é que esta inquietude do filho ou filha se expressa? Isso é importante. Uma coisa é quando isso se manifesta numa criança. Há muitas coisas que têm a ver com a psiquiatria, para ver como as coisas são. Outra coisa é quando isso se manifesta depois dos 20 anos de idade... Mas eu nunca direi que o silêncio é um remédio. Ignorar um filho ou uma filha com tendências homossexuais é uma falta de paternidade ou de maternidade. «Tu és o meu filho ou a minha filha tal como és! Eu sou o teu pai ou a tua mãe. Falemos!» E se, pai e mãe não estiverem à altura da situação, peçam ajuda, mas sempre em diálogo, porque aquele filho ou aquela filha tem direito a uma família e a família nunca o deve deixar afastar-se dela. Isto é um desafio sério, mas é isso que faz a paternidade e a maternidade.

 

 

 

José Leote (Rumos Novos)