Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RUMOS NOVOS - Católicas e Católicos LGBTQ (Portugal)

Somos católic@s LGBTQ que sentiram a necessidade de juntos fazerem comunhão, partilhando o trabalho e as reflexões das Sagradas Escrituras, caminhando em comunidade à descoberta de Deus revelado a tod@s por Jesus Cristo.

Haiti: Charlot Jeudy, ativista LGBT, é encontrado morto em casa

charlot-jeudy-1574731240320.jpg

Um destacado ativista dos direitos da comunidade LGBT, Charlot Jeudy, foi encontrado morto na sua casa em Porto Príncipe em circunstâncias ainda por esclarecer, informaram os media locais.

A polícia ainda não explicou as circunstâncias da morte do ativista, diretor da associação Kouraj (Coragem, em crioulo).

Após tomar conhecimento da morte, a Embaixada da França no Haiti instou as autoridades haitianas a aclarar as circunstâncias da morte o mais rápido possível.

Jeudy fundou a Kouraj em 2012, a primeira organização que defenda os direitos da comunidade LGBT no Haiti, grupo que se encontra muito discriminado naquele país do Caribe.

O Senado haitiano aprovou em 2017 um projeto de lei visando proibir o casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas a lei ainda não foi ratificada pela Câmara baixa, pelo que não entrou em vigor.

A morte de Jeudy sucede num momento de grande convulsão social no Haiti, onde ocorrem protestos quase diários desde meados do mês de setembro, muitos deles violentos.

A embaixada francesa também informou que um casal faleceu atingido a tiro no Haiti, sem fornecer mais detalhes sobre as circunstâncias das mortes ou sobre as identidades das vítimas.

Desde meados de setembro, que o Haiti enfrenta uma grave crise marcada por manifestações para pedir a renuncia do presidente Jovenel Moise.

Mas manifestações, algumas vezes violentas e reprimidas com fogo real pela polícia, morreram pelo menos 42 pessoas e centenas ficaram feridas, de acordo com a ONU.

Esta crise começou a 16 de setembro com a escassez de combustíveis num país dominado pelas desigualdades sociais, pela insegurança, pela inflação e pela corrupção.

 

Fonte: elPeriódico.